Mensagem

Mensagem
Reflexão

quinta-feira, 28 de fevereiro de 2013

Esata Mensagem me foi enviada pela prima Maritam Pinheiro.
Tema para REFLEXÃO.

BENTO XVI - DESPEDIDA

Ave Maria cheia de graça o Senhor é convosco bendita sois vós entre as mulheres bendito é o fruto do vosso ventre JESUS. 
Santa Maria Mãe de Deus rogai por nós pecadores agora e na hora de nossa morte; AMÉM!




Foi no início da QUARESMA que BENTO XVI anunciou a Sua renúncia.

quarta-feira, 27 de fevereiro de 2013

PRECE DO DIA!

Prece invocada
Ao Deus nosso Pai
Que faço neste dia
E com Fé ela vai
Ao Deus meu Senhor
Que de mim não sai
Para outros caminhos
E com ÊLE caminhai
Percorrendo trilhas
Pedindo que me aceitai.

             Fideralina

ÂNGELA MARIA


ISABEL MARQUES DA SILVA.


Isabel Marques da Silva, mais conhecida como Zabé da Loca, é uma pifeira brasileira. Nasceu em Buíque, Pernambuco. Seu apelido se deriva do fato de ter vivido por mais de 25 anos em uma loca (ou gruta), fechada por duas paredes de taipa em um sítio nas proximadades de Monteiro, Paraíba.

Em 2003, gravou seu primeiro CD, Canto do Semi-Árido, com composições próprias e uma versão de Asa Branca, de Luiz Gonzaga e Humberto Teixeira.

Apresentou-se em 2004 no Fórum Cultural Mundial, ao lado de Hermeto Pascoal. Em 2007, gravou o CD Bom Todo, lançado no ano seguinte no Sesc Pompéia, em São Paulo. Ainda em 2008, recebeu a Ordem ao Mérito Cultural, do Ministério da Cultura. Também foi eleita "Revelação da Música Brasileira", no Prêmio da Música Brasileira.

terça-feira, 26 de fevereiro de 2013

REFLEXO


Se eu reflito sobre a reflexão
Jogo um feixe de luz em meu conflito
E ao sentir o reflexo, eu deixo aflito,
O pensar como forma de expressão.

O reflexo que eu vejo nesta ação
É o de espelho em espelho – eu admito!
Já que a imagem progride ao infinito
Refletida na imagem da ilusão.

A fusão do reflexo me fascina
A me ver refletido na retina
Da angélica expressão do teu olhar

E os teus olhos nos olhos da piscina,
Desencantam da noite, que alucina,
No reflexo sublime do luar.
 
      Sávio Pinheiro.

segunda-feira, 25 de fevereiro de 2013

EU TENHO DEUS

                                 Fideralina.

OVO DE PÁSCOA NA TAVESSA.

OVO DE PÁSCOA NA TRAVESSA... Huummmm

INGREDIENTES:
3 latas de leite condensado
2 colheres (sopa) de maisena
2 latas de leite (use a lata de leite condensado vazia para medir)
6 gemas
1/2 colher (sopa) de essência de baunilha
400g de creme de leite
2 xícaras (chá) de chocolate meio amargo picado
1/2 xícara (chá) de castanha de caju picada
2 xícaras (chá) de chocolate ao leite picado

MODO DE PREPARO:
1. Em uma panela, coloque o leite condensado, a maisena dissolvida no leite, as gemas e leve ao fogo médio, mexendo até engrossar;
2. Desligue e acrescente a essência de baunilha;
3. Espere esfriar e misture o creme de leite;
4. Separe 1/3 da mistura e reserve;
5. No creme restante, misture o chocolate amargo derretido;
6. Em um refratário médio, coloque metade do creme de chocolate no fundo;
7. Leve ao congelador por 15 minutos, retire e cubra com o creme branco;
8. Distribua a castanha de caju, volte mais 10 minutos ao congelador e cubra com o creme de chocolate restante;
9. Derreta o chocolate ao leite e espalhe sobre o creme;
10. Leve à geladeira por 2 horas antes de servir.

Receita:
http://tudogostoso.uol.com.br/receita/131171-ovo-da-pascoa-de-travessa.html

IMCOMPATIBILIDADE



 
Quem amou sem ser amado
Com toda intensidade
Afeição e cumplicidade,
Nunca passou de “coitado”
Foi sempre em vida um frustrado
Não viveu, só vegetou
Provou, mas pouco gostou.
Do que é a felicidade,
Entre dois, em verdade,
Nada, nada aproveitou!

Não há súplica que adiante
Nem exemplo que convença
Se  cai tudo em descrença
É discórdia a todo instante,
O que era pra ser brilhante
Transforma-se só em despeito
Ofensas e desrespeito,
Nem mais existe conforto.
Pois o pau que nasce torto
Morre torto não tem jeito

As aparências enganam
Numa convivência a dois
Desde o início ou depois
Quando ambos se estranham
E fatalmente debandam!
Nem sempre o amor abunda
Numa celeuma profunda.
A companhia é até jocosa
Mas possessiva e rixosa
E profundamente iracunda

João Bitu

FIDERALINA CARLOS FREITAS




quinta-feira, 21 de fevereiro de 2013

CONVITE.

Parabéns minha querida, você merece. Que Deus te abençoe e que seja uma profissional
honesta e eficiente como tudo que fazes. Infelizmente não vou estar presente a essa  sua e
de seus pais, conquista!
Um abraço e minhas saudades!
Fideralina.

quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013

CHÁ CASEIRO


CHÁ CASEIRO

Capim santo, canela, erva cidreira
Trazem gosto saudável, dão sabores.
Erva doce e hortelão imitam flores
Exalando fragrância verdadeira.

Chá de boldo, de flor de goiabeira
Levarão para longe maus odores.
E na lida diária, quantas dores
Passarão com folhas de laranjeira?

Garantida existe a inalação,
Que nos faz, no nariz, divina ação
Com gotículas pequenas de vapor.

Motivados e com efervescência
Revelamos com toda sapiência,
Que o milagre dos chás é o amor!

ESURD - CARNAVAL - VÁRZEA ALEGRE


terça-feira, 19 de fevereiro de 2013

LEMBRANÇAS!

                           

                                        O assobio do vento
                Soprando ao meu ouvido
                Penetra no meu pensamento
                Lembranças de anos vividos
                Me dando uma certeza
                Afogando-me numa tristeza
                Por um amor esquecido!    
                   Fideralina.
  

 
                     

Chovendo em Fortaleza




Olha
Está chovendo na roseira
Que só dá rosa mas não cheira
A frescura das gotas úmidas
Que é de Luiza, que é de Paulinho, que é de João
Que é de ninguém

Pétalas de rosas espalhadas pelo vento
Um amor tão puro carregou meu pensamento
Olha! Um tico-tico mora ao lado
E, passeando no molhado
Adivinhou a primavera

Olha
Que chuva boa, prazenteira
Que vem molhar minha roseira
Chuva boa, criadeira
Que molha a terra
Que enche o rio
Que lava o céu
Que traz o azul

Olha
O jasmineiro está florido
E o riachinho de água esperta se lança em vasto rio de águas calmas
Ah! Você é de ninguém
Ah! Você é de ninguém...

Link: http://www.vagalume.com.br/gal-costa/chovendo-na-roseira.html#ixzz2LM6fcJZs




domingo, 17 de fevereiro de 2013

PADRE ZEZINHO


CAMPANHA DA FRATERNIDADE


Fraternidade e Juventude - CF 2013

Objetivo Geral
Acolher os jovens no contexto de mudança de época, propiciando caminhos para seu protagonismo no seguimento de Jesus Cristo, na vivência eclesial e na construção da vida, da justiça e da paz.

Objetivos específicos

1 - Propiciar aos jovens um encontro pessoal com Jesus Cristo a fim de contribuir para sua vocação de discípulo missionário e para a
elaboração de seu projeto pessoal de vida;

2 - Possibilitar aos jovens uma participação ativa na comunidade eclesial, que lhes seja apoio e sustento em sua caminhada, para que eles possam contribuir com seus dons e talentos;

3 - Sensibilizar os jovens para serem agentes transformadores da sociedade, protagonistas da civilização do amor e do bem comum.

Fonte: http://www.portalkairos.net/campanhadafraternidade/#ixzz2LBJVKxjj

QUARESMA

Guia Litúrgico da Quaresma
17/02/2013 1° Domingo da Quaresma Dt 26,4-10 / Sl 90 / Rm 10,8-13
Lc 4,1-13
Nem só de pão vive o homem.
24/02/2013 2° Domingo da Quaresma Gn 15,5-12.17-18 / Sl 26 / Fl 3,17-4,1
Lc 9, 28-36
Mestre, é bom ficarmos aqui.
03/03/2013 3° Domingo da Quaresma Ex 3.1-8.13-15 / Sl 102
1Cor 10,1-6.10-12 / Lc 13, 1-9
Se vocês não se converterem, vão morrer todos do mesmo modo.
10/03/2013 4° Domingo da Quaresma Js 5,9.10-12 / Sl 33 / 2Cor 5,17-21
Lc 15,1-3.11-32
Esse homem acolhe pecadores e come com eles?
17/03/2013 5° Domingo da Quaresma Is 43,16-21 / Sl 125 / Fl 3,8-14
Jo 8,1-11
Pode ir, e não peque mais.
24/03/2013 Domingo de Ramos Is 50,4-7 / Sl 21 / Fl 2,6-11
Lc 22,14.23,56
Façam isto em memória de mim.
 

Fonte: http://www.portalkairos.net/campanhadafraternidade/#ixzz2LBJ41EF6

O JAGUNÇO TRAIÇOEIRO



  1925 foi o ano da morte de meu pai. No dia 13 de junho de 1925, eu estava dormindo na casa da minha irmã, na cidade. Cerca de meia-noite, surgiu um tiroteio para as bandas da cadeia pública. Era um tiroteio cerrado que durou cerca de meia hora. No dia seguinte, toda a cidade tomou conhecimento do fato: Pedro Costa soube que alguém da dele havia pegado o Chagas Firino em flagrante com sua empregada da cozinha. Chagas de cor branca e a empregada, Maria Preta, de cor preta. Tomando conhecimento do caso, o chefe político do município, Antonio Correia, mandou chamar a Chagas Firino em sua casa e convenceu-o de que o local mais seguro para ele era a cadeia pública, com guarda policial durante o dia e a noite, e que ele reforçaria a guarda com uns seis ou oito cangaceiros armados. O Chagas aceitou o argumento e trataram de pô-lo em prática.
  Antonio Correia conhecia Pedro Costa e sabia que ele ia se sentir desrespeitado e possivelmente tomaria medidas drásticas. Pedro Costa ficou desesperado quando soube da medida tomada por Antonio Correia. Seguiu para a sua Fazenda Umari, e lá, reuniu um sobrinho, um enteado, um primo e mais oito cangaceiros, com ele formando um grupo de doze homens. Entre eles estava um cangaceiro que sempre foi de Antonio Correia, mas tinha se desgostado por causa de uma prisão feita pela policia. No caminho para a cadeia, um soldado passou a mão no fundo das calças dele e disse: “Deixa ver se ele está brelhado?” João encolheu-se e com uma rasteira e o braço derrubou três soldados. Como era seis soldados, levaram vantagens, deram-lhe umas cacetadas. O nome desse cangaceiro era João Ricardo, era um cangaceiro valente e perverso. Quando saiu da prisão, fugiu da cidade e foi se oferecer a Pero Costa para morar na Fazenda Umari. Pedro Costa aceitou para fazer afronta a Antonio Correia. No dia do plano de Pedro Costa para seqüestrar o Chagas Firino da cadeia, ao se prepararem na Fazenda para seguirem, João Ricardo pediu a Pedro Costa para ir na frente a fim  de tomar a bênção a sua mãe nas proximidades da cidade, onde morava a velha. Pedro Costa consentiu. João Ricardo seguiu de chicote fincado no burro a toda carreira, foi direto para a casa de Antonio Correia e avisou o plano de Pedro Costa. Em minutos, Antonio Correia reuniu cerca de dez cangaceiros, incluindo o próprio João Ricardo, e mandou reforçar a guarda da cadeia.
  Quando Pedro Costa se aproximou uns 100 metros da cadeia, foi recebido à bala, se ocultaram por trás da casa onde morava o pai de Chagas Firino, o velho Chico Firino. Tiroteio durou uma meia hora, o Pedro Costa se convenceu da impossibilidade de vitoria, quebrou a porta da casa do velho Chico Firino e seqüestrou-o seguindo para Arneiroz, nos Inhamuns, onde tinha grande parte de seus parentes, passando antes  no sítio Serrote, onde estava  a Maria Preta já pronta para viajar. Seguiram sem parar aquelas vintes léguas.
  No dia seguinte, meu pai, já acometido de uma congestão ou “ramo” como diziam os camponeses, causada por ele estar dormindo num quarto abafado e se levantou atendendo um chamado de um vizinho, disse a uma pessoa de casa: “Eu estou sentindo uma coisa ruim no corpo”. Quando o dia clareou, foi para a cidade e lá andou fazendo alguma gestões para ver se acalmava aquela situação. Começou demonstrar agitação. Voltou para a casa e constatamos o seu estado de saúde. Já não falava mais certo, tivemos que prendê-lo num quarto e ficar de quatro a cinco homens para impedir que ele saísse correndo. Não se alimentou mais de coisa nenhuma, nem bebeu água. Durou apenas doze dias e morreu  de fome e sede, com a casa cheia de mantimento.
   Durante a sua doença, apareceu um político e parente dos Inhamuns, Antonio Colô, o qual pertencia à mesma corrente política no Estado a que pertencia Antonio Correia. Vinha tentar uma reacomodação para Pedro Costa voltar, visto que não tinha cabimento continuar mantendo Chico Firino como refém para trocar pelo filho Chagas, a fim de casá-lo com Maria Preta. Antonio Correia disse àquele seu correligionário que o Pedro Costa podia voltar trazendo o velho Firino, que nada lhe aconteceria. Era 25 de junho de 25.
  Havia na cidade um farmacêutico prático muito entendido. Chamava-se Raimundo Siebra e tinha um filho que era igual a ele, Jorge, que vivia curando doentes por todo município. Morava em sua fazenda – Fortuna – mas demorava temporada na casa de seu pai na cidade. Era um político agitado, como Pedro Costa, e também adversário do Antonio Correia, ao ponto de João Ricardo juntar-se ao a um irmão e outro rapaz e seguirem em direção à Fortuna, disposto a matar Jorge Siebra. Chegaram no Sanharol, no dito sitiozinho de meu pai, à  meia-noite, quando começou uma chuva fina. Os três bandidos saíram da estrada e se encostaram no alpendre da casa de Antonio Preto. Este estava acordado, levantou-se e ficou junto da porta escutando aquela conversa dos homens estranhos. Um deles insistia em perguntar para onde iam e o que iam fazer. Diante da insistência, um que parecia ser o chefe dos outros, respondeu que logo adiante ele saberia de toda empreitada. Saíram pela estrada do Iputi.
  Chegando no sítio São Vicente, o João Ricardo convidou para irem fazer um trabalho naquela casa grande, dizia ele. A casa era do padrinho de Chico Vara Seca. O rapaz que ia acompanhando sem saber de nada foi logo indagando: o que vamos fazer aí? Os cachorros já estavam alarmando e o dono da casa já estava encostado na porta com uma espingarda na mão escutando aquele movimento estranho. João Ricardo respondeu: “Aqui vamos assaltar e roubar e na frente  vamos para a Fortuna matar Jorge Siebra, é isso o que você quer saber?” Chico Vara Seca respondeu exaltado dizendo que “nessa casa mora meu padrinho Francisquinho Bezerra e eu tomo a defesa dele como também não foi ajudar a matar Jorge Siebra, que ele é um homem muito bom para os pobres”, e foi se preparando para reagir, mas o chefe do grupo, João Ricardo, mais ágil, sacou do rifle e disparou, matando o Chico Vara Seca e convidando o segundo rapaz, que era seu irmão Doca Ricardo, para se afastarem de repente daquela casa, sabia que o dono da casa naquelas alturas já estava preparado para reagir e como estava dentro de casa, contava com vantagem. Assim desistiu do assalto e voltou para Várzea Alegre, deixando o companheiro morto no terreiro do Francisquinho Bezerra, que já tinha reconhecido ele e o seu irmão Doca. A justiça processou-o e condenou-o. Ficou cumprindo a sentença passando o dia pela calçada da cadeia pública contando anedotas e à noite indo dormir em sua casa. Em Várzea Alegre há uma festa de igreja muito animada do padroeiro São Raimundo Nonato, começando no dia 21 de agosto de cada ano e terminando dia 31 do mesmo mês. No mesmo ano de 1925, já no terceiro ou quarto dia da festa, meia-noite, os vizinhos de João Ricardo acordaram por gritos dele acompanhado de disparos de rifles. Saiu para fora de casa gritando: “eu te mato, cabra safado.”
  Quando o dia clareou na manhã seguinte, se espalhou a noticia: “mataram a mulher de João Ricardo e feriram ele em dois lugares”. Mais tarde surge o escândalo. João Ricardo, ferido no couro da barriga e no dedo indicador esquerdo, acusou Pedro Costa e Jorge Siebra de terem ido lhe matar e como não puderam, mataram a sua mulher. O incrível aconteceu. O delegado mandou prender Pedro Costa e Jorge Siebra. Durante a festa da igreja receberam muitas visitas de solidariedade.
  Não foi difícil para o advogado e o promotor público descobrirem que os ferimentos de João Ricardo tinham sido feito por ele mesmo, que depois de matar  sua própria mulher, continuou atirando e gritando. Para forjar ter sido ferido, o astuto bandido pegou o couro da barriga do lado esquerdo, puxou-o bem com os dedos polegar e indicador e com a mão direita encostou a boca do rifle e disparou. Não teve a lembrança de defender o dedo indicador que estava por baixo e o mesmo foi atingido pela bala.
  Provado isto, foram soltos Jorge Siebra e Pedro Costa. Jorge Siebra foi para a fazenda e no dia 10 de novembro de 1926 estava numa trincheira defendendo a farmácia de seu pai e a própria cidade em companhia de uns cinco moradores da fazenda e seu cunhado Joaquim Ferreira Lima. Deram prova de coragem porque, sentindo-se isolados do combate, seguiram em procura da casa de Dr. Serra, mesmo sem serem chamados como os dois camponeses que foram até a casa do Dr. Serra. Quando chegaram na trincheira do Marinheiro, onde estava Zé Leandro, este avisou-os das medidas tomadas. Como o combate já tinha se encerrado, ficaram ali mesmo até o amanhecer. 

  José Leandro
             do seu livro "Depoimento" 1988 Pag. a 28

sábado, 16 de fevereiro de 2013

VÍDEO DE FORMATURA

video
Este vídeo contém fotos das festas de final de ano e da Formatura de Tauanny em Maceió.


Fideralina

DEPOIS DOS QUARENTA.


ENVELHECER - JUCA CHAVES.

Muito criativo. Adorei ver esse vídeo.

ORAÇÃO.


Quando Deus tira algo de seu alcance,tipo suas horas extras. Ele não está punindo-o, mas apenas abrindo suas mãos para receber algo melhor.Concentre-se nesta frase... "A vontade de Deus nunca irá levá-lo aonde a Graça de Deus não irá protegê-lo." Alguma coisa boa vai acontecer com você hoje, algo que você tem esperado ouvir.. Por favor, não quebre! Apenas 27 palavras. Deus, nosso Pai, CAMINHE pela minha casa e leve embora todas as minhas preocupações e doenças, e POR FAVOR, vigia e cura a minha família em nome de Jesus... AMEM. Esta oração é muito poderosa. Passe essa oração para o máximo de amigos não apenas para algumas pessoas, mas para todos. Todo mundo precisa de uma benção e agora nesse momento uma bênção está vindo para você na forma de um novo emprego, uma casa, o casamento, saúde ou financeiramente. Não faça perguntas. Este é um teste. Será que Deus está em primeiro lugar na sua vida? Se assim for, pare o que estiver fazendo e envie a mensagem. Observe o que Ele faz.


sexta-feira, 15 de fevereiro de 2013

Luiz Gonzaga


CADEIRANTE.



O marchar nos expõe uma postura,
Que não mede o valor da nossa mente!
E a erecta expressão de formosura
Traz em si uma ideia prepotente.

Estudei de uma forma consciente
O entender de uma plégica figura,
Apesar de não ver qualquer cultura
O opinar que tem um deficiente.

Se em cadeira de rodas leva a vida
E medita confuso a sua lida
É que Deus lhe aprovou a hemiplegia.

Mesmo assim, apresenta um tirocínio,
Um atinar e um vital raciocínio,
Que o encanto da mente propicia.
                        Sávio Pinheiro.             

quinta-feira, 14 de fevereiro de 2013

SONETO CANTA CORDEL - SÁVIO PINHEIRO


   

Com bons versos formamos a estrutura
Das estrofes, que nascem da poesia.
Desse encontro, criou-se a fantasia
Do cordel, que se fez literatura.

Contar sílabas transforma essa cultura,
Que a métrica nos dá em garantia
E a oração sendo o enredo que irradia
Traz a arte extraída da mistura.

Com seis versos se forma uma sextilha
E com sete a belíssima septilha
Numa alegre expressão que vem da glosa.

Nos dez versos de dez sílabas, criamos
Um martelo, que em canto, anunciamos
Dando ao texto uma forma majestosa.

OBSERVANDO A FOLIA.


MACEIÓ - ALAGOAS

DIA DA AMIZADE.

HOJE 14 DE FEVEREIRO É O DIA DA AMIZADE
"Pode ser que um dia deixemos de nos falar…
Mas, enquanto houver amizade,
faremos as pazes de novo.
Pode ser que um dia o tempo passe…
Mas, se a amizade permanecer,
um de outro se há de lembrar.
Pode ser que um dia nos afastemos…
Mas, se formos amigos de verdade,
a amizade nos reaproximará"
                   Fideralina.

quarta-feira, 13 de fevereiro de 2013

CRESCER, CRESCER E CRESCER!

É preciso sofrer 
É preciso esperar
É preciso aceitar
É preciso acontecer
É preciso suportar
É preciso viver
É preciso ser feliz!
    Fideralina.

O QUE É QUARESMA!

"Nós cristãos celebramos todo ano a festa da Páscoa: a morte e a ressurreição de Jesus e tamém a nossa. É a maior de todas as festas. A mais importante... Grande demais para ser preparada em apenas três dias ou uma semana. Por isso, estendemos a sua preparação para quarenta dias. Daí Quaresma, período de quarenta dias, que vai da quarta-feira de cinzas até a quinta-feira santa pela manhã."
                                      Fideralina

CAMPANHA DA FRATERNIDADE - QUARESMA.



sábado, 9 de fevereiro de 2013

DOM HELDER CÂMARA.


"Carnaval é a alegria popular. Direi mesmo, uma das raras alegrias que ainda sobram para a minha gente querida. Peca-se muito no carnaval? Não sei o que pesa mais diante de Deus: se excessos, aqui e ali, cometidos por foliões, ou farisaísmo e falta de caridade por parte de quem se julga melhor e mais santo por não brincar o carnaval. Estive recordando sambas e frevos, do disco do Baile da Saudade: ô jardineira por que estas tão triste? Mas o que foi que aconteceu....Tú és muito mais bonita que a camélia que morreu. BRINQUE MEU POVO POVO QUERIDO! MINHA GENTE QUERIDÍSSIMA. É VERDADE QUE 4a FEIRA A LUTA RECOMEÇA. MAS, AO MENOS, SE PÔS UM POUCO DE SONHO NA REALIDADE DURA DA VIDA!"
Dom Helder Câmara, 01 de fevereiro de 1975 durante sua crônica radiofônica "um olhar sobre a cidade"da Rádio Olinda AM.

FUMO.

Estou de plantão e vejo, compadecido, um doente terminal de câncer de laringe provocado por cigarro morrer lentamente. No momento, só me resta escrever:

FUMO

A humana espécie ao nascer
Traz consigo um destino declarado:
Tem certeza que um dia irá morrer,
Mas do quê, nem do quando é avisado.

O fumante, acuado, em si se vê
Na potente tragédia do atestado,
E fingindo o momento e o porquê,
Não dá conta, apesar de avisado.

O enfarte, o câncer e o enfisema
Vão sugar a pintura e o poema
De um vasto passado humanizado;

E no quadro macabro dessas telas
Só se esquiva expirar de tais mazelas
Se, precoce, morrer atropelado.

sexta-feira, 8 de fevereiro de 2013

TEXTO DE SÁVIO PINHEIRO.

Sempre tive admiração por certas datas e por certos números. O trinta e um de dezembro me estimula a fazer planos e a perpetuar o meu direito de sonhar. O número treze, apesar de
temido por tantos, é um número muito querido por mim. Mas, o meu xodó recai sobre o onze de janeiro. Acho-o charmoso, imponente, saudável e um tanto quanto enigmático; mas me traz uma energia positiva, transcendental e verdadeira. Agora, pasmem: um onze de janeiro em 2013, realmente merece ser lembrado.

Logo cedo, ao me parabenizar, a minha mãe me reproduziu a magna data de seu primeiro parto. Pela manhã, foi visitar uma amiga que havia dado à luz, e teve, por gentileza, de dar banho no recém-nascido. À tarde, torrou um tacho de grãos de café, moeu-os em moinho manual e acomodou o pó em pequenas latas reutilizáveis. No crepúsculo vespertino, com as contrações uterinas em progressão, autoriza o meu pai a sair em busca da parteira. Antônia Cabeleira embrenha-se naquele ambiente doméstico fumando um cigarro confeccionado com fumo de rolo e palha de milho, e ordena a gestante a se preparar para o exame. Sem luvas, faz um toque vaginal e informa: - Está se aproximando a hora! – Vez por outra, lança jatos de saliva ao chão, porém sempre atenta às contrações uterinas. A bolsa se rompe em um dos toques vaginais. Talvez pelo contato direto da unha com a bolsa das águas. Todavia, o final do parto se torna longo, estressante e doloroso.

Às 22h30 nasce o pequeno José. Seria Domingos Sávio, não fosse pela falta de choro dos primeiros minutos de vida. A avó Raimunda, muito religiosa, impaciente, e temente a Deus, resolve realizar um batismo de emergência para o rebento não morrer pagão. – José, eu te batismo... Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo! Mais de cinco décadas depois, na mesma data, de plantão, realizo um parto bastante difícil. Criança com circular de cordão, braço na frente do ombro, peso avantajado e com placenta colada. Por sorte, foi realizado em hospital com todo aparato obstétrico e neonatal. Não houve batismo de emergência.

A volúpia de José Sávio, Zé Poivinha, Zé Sávio, Sávio Pinheiro e Dr. Sávio, comovida, agradece a gratidão e o carinho de tantos amigos, que ao longo dos dias e dos lugares por onde andou, se fizeram presentes em sua existência. Foi, e ainda o é, no contato diário da medicina, que a enfermidade e a saúde, a dor e a alegria, o medo e a esperança, misturam-se de forma homogênea para formar a verdadeira essência da vida. Que a gratidão e o respeito, e a amizade de todos vocês, que me enalteceram neste dia onze, continuem me dando a vigorosa energia para que eu possa continuar dançando, solenemente, a extrovertida valsa da nossa terrena passagem.

Muito obrigado, e um beijo no coração de todos.


                        12de janeiro de 2013

UNIDOS NO ROÇADO.


O samba traduzido em arte fina
Refaz, no mato, o dom da criação
Criando em recatado coração
Um sonho amalucado, que alucina.

Saudade, que transcende e que fascina
Faz crer no dom divino da oração.
Daí, o bravo grupo em comunhão
Marcar em passo nobre a grande sina.

Na lida da sofrida agricultura
Ousou e fez jorrar outra cultura
Regando-a na batida do pandeiro.

A Escola, que o roceiro edificou
E que, ao som do batuque, eternizou
Faz jus a este momento verdadeiro.

Autor :Sávio Pinheiro

Curtir ·

MEMÓRIA


O rever retumbante da história,
Das raízes, das lendas, dos costumes
É regar um canteiro de estrumes

Pra colher, no futuro, imensa glória.

É cantar a beleza da vitória,
É enxergar o piscar dos vaga-lumes,
É sentir o bom cheiro dos perfumes,
É guardar o passado na memória.

Ao buscar o valor da exata origem
Sem temer a impureza da fuligem
Faz galgar grande passo, no presente.

E se acaso, existir puro bairrismo,
Marchará para um cosmopolitismo
De maneira solene e permanente.

             Sávio Pinheiro

MENARCA

MENARCA

Meiga infante de reino encantado
Traz um colo bonito de menina;
E num dia, de modo inesperado,
Faz-se púbere com forte adrenalina.

De repente, com graça de felina,
Remodela o seu corpo ameninado
Ao volver a garoa e a neblina
Numa chuva de porte requintado.

Os hormônios em plena convulsão
Fazem força no oculto coração
Que libera o sensor do encantamento.

Na magia viril da puberdade
A inocência mutante é a verdade
Que transfaz o fiel do pensamento.

        Sávio Pinheiro

quinta-feira, 7 de fevereiro de 2013

O SILÊNCIO!


É isso aí.
O silêncio
Diz o que sinto
Quando alguém
Silencia para mim.
    Fideralina.

quarta-feira, 6 de fevereiro de 2013

QUE A VIRGEM NOS PROTEJA SEMPRE.

Ave Maria cheia de graça o Senhor é convosco bendita sois vós entre as mulheres bendito é o fruto de vosso ventre Jesus.
Santa Maria Mãe de Deus rogai por nós pecadores agora e na hora de nossa morte, Amém!

BOA TARDE.

Olhai os lírios do campo, como eles crescem..............

segunda-feira, 4 de fevereiro de 2013

FOTOS - MACEIÓ - AL.


                                                 Centro de Convenções -  -
                                                 Local do Culto Evangélico
                                                    Baile de Formatura
                                                   Baile
                                                Baile
                                                Baile

PARABÉNS!

Parabéns garota! Você merece! Seja uma excelente profissional!
Beijos da tia Fidera.