Mensagem

Mensagem
Reflexão

sexta-feira, 13 de dezembro de 2013

PAUSA PARA MEDITAÇÃO por João Bitu


 

PAUSA PARA MEDITAÇÃO

 

É deveras impressionante como a ação dos tempos impõe modificações nos hábitos e costumes das pessoas, contribuindo para transformar e, por  vezes, aprimorar o relacionamento entre jovens e adultos, notadamente, à proporção em que no dia a dia os fatos vão ocorrendo alheios às nossas pretensões. Tudo se modifica ao mesmo tempo em que nos transformamos também, à mercê de comportamentos indiferentes aos princípios de nossa origem de vida, tais como nos foram legados por nossos ancestrais. É como se tudo precisasse ser mudado e uma atualização se fizesse necessária em nossa existência. Só que, entendo serem estas atualizações procedidas de maneira um tanto precipitada.

Não atentamos para determinadas atitudes ousadas no tratamento que dispensamos aos nossos semelhantes de idades mais avançadas. As pessoas mais idosas perdem gradativamente o direito de serem respeitadas como tais. A juventude não tem sido preparada por seus superiores para conservar o respeito e a obediência a quem de direito. As coisas, em geral, não são mais como antigamente.

Será que tudo o que acontece é para melhorar a vida gente? A modernização que se opera em nosso cotidiano será mesmo um corretivo ou estímulo para aperfeiçoar os atuais usos e costumes?  Tudo mesmo?

Certo é que há uma enorme diferença entre a atualidade e o passado.  Estamos completamente diferentes de outrora, na maneira de vestir, na forma de como nos comunicar com o próximo, em como conquistar amizades e saber conservá-las e, como já fiz referência acima, dispensar o respeito e admiração aos nossos concidadãos que alcançaram a honrosa terceira idade com sacrifício, com luta e com amor.  Alias, dizia-me um amigo, “ficar velho até que é muito bom, difícil mesmo é ser velho”. Todos nós sonhamos e almejamos viver bastante, assistir o nascimento e crescimento de filhos, netos, bisnetos e mais aderentes na plenitude de nossa saúde e bem estar. Mas “caducar” não... só  se for no sentido de brincar, acariciar e bajular os descendentes.

Entre os doze e vinte anos de idade, no ápice da adolescência, experimentei uma fase de acentuada timidez, ao ponto de me tornar portador de enorme complexo de inferioridade. Tudo era belo ao meu redor, menos eu. Todos mereciam afeição, admiração, cobiça pessoal, menos eu. Custei a superar certos preconceitos, enfim consegui quase totalmente, graças a repetidos acontecimentos merecedores de uma melhor análise e reflexão. Os tempos se encarregaram, realmente, de nos transformar a qualquer custo.

Lentamente fomos amadurecendo e enriquecendo nossos propósitos de vida, alterando idéias e pretensões pessoais. Começava a surgir uma nova perspectiva e razão de ser. Comecei a aprender com os próprios erros cometidos ao longo da existência. E como aprendi?

Recentemente, por telefone, conversava com uma de minhas melhores amigas, daquele saudoso e longínquo passado e lembrava que a nossa amizade fora imensa, altamente saudável e duradoura” e acrescentava: Só não fomos namorados  porque eu achava que  você não me queria, ao que ela respondeu:  Porque é que você achava assim?.

Ora, diante de minha timidez e como nos comportávamos na ocasião, era assim que as coisas aconteciam. Faltava iniciativa entre os dois e mais que isto, receio, medo de levar uma mala.

Quem sabe se um grande amor não existia e o temor e falta de coragem não o deixaram vingar? Tudo é possível,

Não teria sido melhor se tivesse havido ousadia e não timidez entre ambos?

DEUS o sabe e é por sua vontade permissiva que o tempo se encarrega de tudo, convenhamos. Deixemos as coisas acontecer como ELE o desejar.

Tudo passa sobre a Terra – disse José de Alencar,

 

João Bitu

 

 

 

 

 

 

4 comentários:

  1. Estou sentindo falta de FIDERALINA

    ResponderExcluir
  2. É...

    Meu caro amigo, João Bitu:

    Seu texto está cheio de verdades, de fato há um desrespeito desenfreado às pessoas que atingiram elevado grau de maturidade. Entretanto nós podemos compreender a juventude, pois, ela ainda não compreende o que é maturidade, não sabe o valor cultural que um ancião é portador.

    Creio que a falta de visão do jovem para com seu semelhante de idade superior está na falta de iniciativa do próprio jovem, que corre desenfreadamente contra o tempo em busca de quimeras, sem um a centelha de preocupação com o amanhã, o que é uma pena, por que muitos deles um dia poderão chegar a nossa idade ou superá-la e o que colhe um jovem que nada quer da vida? Esses irmãos me dão pena, mas não há muito o que se fazer. A mudança vem de dentro para fora.

    Há muitos e muitos anos que aprendi a compreender os jovens como eles são. Só o tempo e o sofrimento poderá modificá-los.

    Um velho adágio diz: "As palavras movem, mas o exemplos arrastam". Isto não se aplica aos jovens de hoje, mas, a nós que fomos jovens no passado.

    Dia desses entrei em um cartório de um cliente meu e estavam ele outro senhor rindo a vontade quando ingressei no gabinete e aconteceu o seguinte diálogo;

    O outro visitante falou:

    - Olha ai, quem tá lascado é o Almeida que já tem quase 70 anos!

    O dono do Cartório apenas riu, por que me tem grande respeito. Ao perceber que ambos estavam rindo, achando engraçado por serem mais jovens que eu entrei com meu xeque-mate e falei:

    - Não sei do que estão rindo, afinal vocês são perdedores. Tenho 68 anos, vocês dois tem 62 e 64 respectivamente. É impossível que eu morra antes dos 68 e você poderão não chegar a minha idade!

    Eles se entreolharam sérios e o dono do Cartório falou para o outro: Tá vendo fulano a situação em que você nos colocou! E não riram mais.

    Desejo tudo de bom pra vocês neste final de ano e no ano novo.

    Abraços do

    Vicente Almeida





    ResponderExcluir
  3. Beleza meu caro Vicente
    Não somente pelo lindo texto sabiamente escrito por você, mas notadamente por tê-lo de volta ao nosso convívio.
    Meu abraço,
    João Bitu

    ResponderExcluir
  4. Meu amigo João:
    A falta que estou fazendo tem um nome (viagem). Estou na nossa terrinha. Regressarei após o Ano Novo!. Dificilmente entro na net. E, para comentar seu texto preciso mais tempo o que não disponho da máquina.; desculpa.
    Tenha um feliz ano que se aproxima.
    Fideralina

    ResponderExcluir